PORQUE É PROIBIDO APLICAR GOLPES DE MÃO NO ROSTO NO KARATE KYOKUSHIN?

Share this

Nos primórdios do karatê Kyokushin, foram permitidos golpes de mão no rosto, mas isso resultou em muitos ferimentos, sangue e traumas profundos o que levou alguns praticantes a se retirarem do treinamento. Além disso, eles queriam que as lutas nos torneios fossem mais longas, fossem um desafio físico e não terminassem devido a cortes. Por algum tempo, envolveram as mãos em toalhas, mas Sosai Oyama acreditava que o uso de luvas de proteção prejudicaria o realismo que o estilo enfatizava.

Portanto, foi decidido que golpes de mão e cotovelo no rosto, cabeça e pescoço não seriam mais permitidos em treinamento e competição. Além disso, o Japão da época e hoje, juntamente com muitos governos ao redor do mundo, não permitem ataques na cabeça em varias competições sancionadas.

De acordo com Kancho Hatsuo Royama, um dos primeiros alunos de Sosai Mas Oyama e diretor de Kyokushin-kan, o que diferencia os concorrentes da era anterior dos concorrentes de Kyokushin no presente é:

Os primeiros estudantes de Oyama Dojo (que precederam a fundação do Kyokushinkaikan) e os primeiros dias no Kyokushinkai praticaram kumite de contato total no dojo, no qual golpes na cabeça e na virilha (clinchar e projetar) eram legais. Isso significa que os lutadores japoneses dos primeir

os torneios de Kyokushin lutaram com socos no rosto/cabeça e
limitaram seus ataques apenas a golpes corporais nos torneios. Esses lutadores, portanto, sabiam defender seus rostos dos socos. Esses reflexos foram bem desenvolvidos. Segundo Kancho Royama, no entanto, ocorreu um desenvolvimento trágico na evolução de Kyokushin. Surgiu uma nova geração mais jovem, que aspirava apenas a ganhar torneios Ky

okushin nos quais não era necessário desenvolver técnicas e reflexos defensivos com socos no rosto/cabeça.

AMIR BAHM EYEH, DO CONTACT KICKS – IFK BRASIL

Quando os primeiros campeões de Kyokushin foram enviados para lutar nos ringues de K-1, após a morte de Mas Oyama, eles foram derrotados tragicamente, levando a um colapso crítico na popularidade de Kyokushin no Japão. O público japonês não acreditava mais que Kyokushin fosse o karatê mais forte do mundo.

Kancho Royama ressalta que é essencial que nós, no Kyokushin-kan, “recuperemos o que foi perdido. Como karateka, devemos desenvolver reflexos de autodefesa contra golpes de mão na cabeça. ”

O Kyokushin-kan reintroduziu o ataque no rosto, com torneios para os dois tipos; com golpes de mão no rosto, e o tradicional sem ataque de mãos diretos no rosto.

“Se você lê algum livro de Sosai Oyama ou viu as imagens do próprio homem – ele enfatiza o aspecto mental das artes marciais mais do que qualquer outra coisa. Ele já disse em muitas ocasiões que técnica/resistência é o que constitui kumite – mas técnica/resistência só o levará tão longe. Resistência mental/espírito marcial é o que permite que você supere seus próprios limites físicos – na minha opinião pelo menos a pessoa com maior vontade e senso de propósito prevalecerá, se não imediatamente – eventualmente.