Kendô

Arte marcial japonesa, uma espécie de esgrima em que os adversários usam espadas de bambu e estão protegidos por uma armadura composta de capacete (semelhante ao da esgrima) e peitilho rígido : QUENDÔ.

http://www.brasilbudo.com.br/wp-content/uploads/2017/07/Kendo.png

Trecho “Peregrinos do sol – A arte da espada samurai”, de Luiz Kobayashi

No Japão, desde os seus primórdios, dentre vários armamentos, a espada vem sendo reverenciada. Isso se deve ao fato de haver muitas histórias relacionadas à espada, nos mitos e lendas japonesas. Além disso, as espadas eram ofertadas como tesouro divino aos templos ou recebidas como símbolo da nomeação de um generalíssimo.

O Kendo tal como praticado hoje, foi criado a partir do século XX, com base em alguns estilos de Kenjutsu. A idéia era simplificar o amplo conjunto de técnicas e posturas existentes no Kenjutsu em quatro golpes básicos a partir de uma única postura de luta. Desta forma foi possível difundir o Kendo como uma atividade física onde é possível aliar a competição e o desenvolvimento do caráter.

Na prática do Kendo são utilizados: o bogu – equipamento de proteção e a shinai – espada de bambu. Com o uso destes equipamentos é possível realizar os combates sem risco de lesões causadas pelo impacto dos golpes.

Períodos :

Período Muromachi : Por volta do ano de 1350 d.C

Período Edo: A partir de 1615 d.C.

Período Meiji :

Como resultado do povo japonês, que desde os seus primórdios, cultivou uma educação calcada no caminho da pena e da espada, o kendo se desenvolveu visando a formação do ser humano e propiciando o caminho do guerreiro. Toda a evolução desta arte marcial ocorreu na era feudal, que perdurou por setecentos anos, terminando em 1868.

Com a restauração Meiji, como primeiro passo para a modernização, foram introduzidos muitos elementos culturais da civilização europeia no Japão e a cultura tradicional, por um tempo, foi deixada em segundo plano. Em 1876, a classe dos guerreiros – os samurais – foi extinta e, ao mesmo tempo, a prática de kendo nas escolas foi abolida, chegando esta arte marcial até mesmo a defrontar-se com o perigo da extinção.

Mais tarde, em 1890, o kendo volta a ser praticado nas escolas como atividade extra-curricular. Em 1895, foi criada a Associação Dai Nippon Butokukai, congregando todas as escolas de kendo. Foi estabelecida uma política de difusão e de desenvolvimento da orientação desta arte marcial.

Entre diversos mestres e escolas envolvidas nesse processo de unificação do kendo (Kendo Renmei), podemos citar:

  • Ono-ha Itto-ryū – Kagehisa;
  • Shintō Munen-ryū – Watanabe Noboru, Shibae Umpachiro, Negishi Shigoro;
  • Musashi-ryū – Mihashi Kanichiro;
  • Jikishin Kage-ryū – Tokuno Kanshiro, Abe Morie;
  • Kyoshin Mechi-ryū – Sakabe Daisaku.

 

 

Fonte:

https://pt.wikipedia.org/wiki/Kendo

Trecho “Peregrinos do sol – A arte da espada samurai”, de Luiz Kobayashi

http://www.niten.org.br/kendo

 

 

Pin It

2 thoughts on “Kendô

  1. Pingback: Kenjutsu | Brasil Budo

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *